domingo, 23 de novembro de 2014

Sociedades secretas e herméticas

MANUAL DE MAÇONARIA 
EDMUND RONAYNE E WISCONSIN
MULTIPLE-LETTER CIPHER, 113: 
"Um Mestre deve conservar inviolados os segredos de um Mestre maçon.""Deves esconder todos os crimes de um irmão maçon"
"Se fores arrogado para testemunhar contra um irmão maçon, assegura-te de o protegeres"
"Pode ser perjúrio, é certo, mas estarás a cumprir as tuas obrigações"

Ate Salazar combateu e proibiu a Maçonaria, porque a via como uma instituição perversa e corrupta.
Após o 25 de Abril, a Maçonaria foi reconhecida e entregue os seus imóveis, bem como uma avultada soma de dinheiro, a título de indemnização.
Hoje a Maçonaria, como um cancro, está espalhada pelas várias instituições do Estado.
Temos juízes maçons, praticamente todos os dos tribunais superiores, generais maçons, políticos maçons, sobretudo no PS e PSD, comandantes da PSP, jornalistas, sobretudo os quadros superiores, como os directores e outros jornalistas destacados, apresentadores de televisão, actores e, pasme-se, também bispos e padres.
Por isso, é perfeitamente notório a razão porque ninguém é condenado.
Eles estão obrigados a defender e a esconder os crimes dos irmãos, sejam juízes,  sejas outro maçon qualquer.
A atitude do Presidente do Supremo Tribunal de Justiça, Noronha de Nascimento, um maçon destacado, de mandar cortar no processo provas que incriminavam outro irmão maçon, insere-se no dever que eles têm de esconder todos os crimes de um maçon.
Da mesma forma, aqui está a razão porque os processos onde se encontram gente ?grande? nunca são resolvidos e prescrevem. 

ENTENDEM AGORA PORQUE É QUE OS FILHOS  DESTE PAÍS SE PROTEGEM UNS AOS OUTROS?
Sátira para Paulo Cafôfo

Miguel Macedo

Entre uma e outra foto passaram 23 anos. A de 1991 foi tirada no Fórum Picoas, onde o então secretário de Estado da Juventude visitava uma exposição. De então para cá, Miguel Macedo fez um percurso em crescendo, sedimentando a imagem de político discreto e competente, tão à vontade nos palcos partidários, onde chegou a secretáriogeral do PSD, como no Parlamento ou no Governo. Em 2011, Passos Coelho ofereceu-lhe a pasta da Administração Interna, uma área politicamente sensível por envolver questões cruciais de segurança e de difícil gestão por tutelar vários corpos policiais. Atingido pelo escândalo dos vistos gold, demitiu-se do cargo há uma semana, entre elogios à dignidade da sua decisão. Agora, só o tempo e o curso da justiça dirão se a sua carreira política terminou ou não.

Sem comentários:

Enviar um comentário